domingo, 10 de julho de 2011

O poeta

O poeta perdeu sua alma,
na imensidão das palavras.
E seu poema, se entregou a solidão.
_ Antes partir que viver na ilusão_ pensava.
Que sonhar o sonho do tolo,
que viver deste abandono,
sem Amor, sem companhia.
Nem a noite, nem o dia,
lhe preenche o coração.
Melhor viver de palavras,
onde o sonho não se acaba,
e voa com a imaginação.
Viver no mundo de páginas,
de romance e de canção,
onde cada qual é feliz,
onde eu sou um aprendiz,
e o Amor é a melhor lição.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Caminhos

Faz tempo que a vida deixou-se passar,
lentamente... entre o ontem e o hoje.
Foi-se alegremente a cantarolar, 
Como criança que de algo foge...
E dela não tenho notícia.
O tempo levou-a consigo
Mas como nobre amigo, pra não magoar,
Deixou em minh'alma a lembrança,
Das coisas de infância, do cheiro de mar.