quarta-feira, 30 de março de 2011

Aurora

Via o mundo pela janela.
A chuva caindo,
As pessoas partindo.
Cores desbotadas,
Nas roupas remendadas,
Do mendigo lá fora.
Assim era o mundo de aurora.

Via a vida de longe.
A luz do sol na grama,
O marrom da terra na lama.
Vestes amassadas,
Na jovem embriagada,
Que resmungava lá fora.
Assim era vida de Aurora

Via o amor pela fresta.
Sob a lua em noite clara,
Nos gestos de afeição rara.
Lábios de um vermelho quente,
Rostos de emoção ardente,
Dos amantes lá fora.
Assim era o amor pra Aurora.


Via tudo pelos seus olhos.
Olhos de moça esquisita,
Que pouco sabe da vida,
Mas tudo entende de gente.
Espera um dia, contente,
O momento de ir-se embora.
Assim era o mundo de Aurora.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Em preto e branco

Ser preto, ser branco!
Sê preto ou Sê branco?
Pra quê?
Quero mesmo é ser
Colorido.
Ser azul pela manhã,
Que azul é cor de céu.
Ser amarelo ao meio dia.
Cor de sol a pino.
Ser laranja à tardinha,
Que laranja é a cor
Da sabedoria.
E a noite ser...?
A noite tem cor de quê?!
Tem cor de travesseiro arrumado,
Cor de beijo roubado,
Cor de dança lentinha, gostosa.
Tem cor de olho no olho,
E de suspiro demorado.
A minha noite tem cor de rosa e encarnado...

sexta-feira, 25 de março de 2011

Verso

Gostaria de um verso só...
Um verso de paixão,
de calar o coração.
Um verso de brotar o dia,
de acordar a noite fria.
Um verso de fazer estremecer a pele, 
suar a nuca, 
de deixar maluca,
assim sem querer.
Um verso sussurrado no ouvido,
um silencioso estribilho,
que me faça enlouquecer...
Um verso atônito de amor,
de olhos cerrados, 
revelando seu pudor.
Um verso ou dois...
pra me deixar dormente
o sorriso, o corpo, a mente.
Um verso só amor...