domingo, 28 de novembro de 2010

Das Utopias

"Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos se não fora
A mágica presença das estrelas!"

Mario Quintana - Espelho Mágico

O tempo é coisa passageira,
Nada leva na gibeira.
Deixa pra trás só lembrança,
E conosco a esperança,
De tudo um dia voltar...

[O tempo nunca foi um bom amigo, 
estive sempre com ele na ponta dos dedos, 
com medo de perdê-lo. 
Mas agora, vendo o passado e o presente, 
vendo o tempo perdido, 
finalmente entendi...
Que o tempo não se alcança,
não se prende, não se lança.
O tempo é parte da gente,
nasce, cresce e amadurece. 
Ele vive em nossa mente.]


sábado, 20 de novembro de 2010

Redemoinho II

Infinitamente tua, eu pensei...
Na imensidão de uma paixão.
Mas, a louca que havia mim,
Acordou.
Acordou e viu o mundo,
Viu a vida sem você.
Viu o dia amanhecer,
De uma noite sem razão.
E o desespero de outrora
Deu lugar a solidão,
Deu assento a comunhão,
Entre eu e o meu ser.
E de repente ser, passou a ter outra valia.
Passou de nada à serventia,
O coração volta a bater.

Redemoinho

Olho em volta,
Não há nada.
Nada há pra ver.
procuro em mim,
um pouco de você,
algo pra lembrar.
O pensamento segue,
distante. 
Onde me leva à vontade,
O horizonte.
Procuro uma saudade,
Sincera de te ver.
E a noite faz pensar...
E a noite faz querer.



quarta-feira, 10 de novembro de 2010

{-.-}

Sonho,
Nesta noite fria,
                            Agonia.
                                      Abria,
Uma ferida em mim.

Acordo,
Na noite gelada,
                            Parada.
Sangrava,
Numa dor sem fim.